ptenfres

BRAGA, Capital do EIXO-ATLÂNTICO

 

presidente do grupo tematico jogos do eixo

 

Quando em 1995 se realizou a primeira edição dos Jogos do Eixo Atlântico, ninguém imaginou que este evento, aprovado 3 anos depois da fundação da Associação, pudesse nos anos seguintes tornar-se a maior demonstração desportiva da Euro Região e um factor importante da sua consolidação.

 

Em 1997, após se ter decidido que os Jogos teriam periodicidade bienal, realizou-se a II edição dos Jogos em Ferrol e, em Julho de 1999, Chaves acolheu a III edição, que teve a presença do Primeiro-ministro de Portugal.

 

Ainda com 18 cidades, realizaram-se as IV, V e VI edições dos Jogos do Eixo Atlântico nas cidades de Ourense, Bragança e Santiago de Compostela.

 

Em 2007, com a entrada de 10 novas cidades, Vila Nova de Gaia foi o palco da VII edição dos Jogos, a primeira que integrou as 28 cidades, com um aumento significativo de atletas presentes.

 

Em 2008, após uma nova entrada de 6 cidades, a VIII edição dos Jogos veio a realizar-se na Corunha, com mais de 1750 atletas e treinadores presentes e uma enorme cobertura televisiva. O cenário foi igual na IX edição, realizada em Matosinhos, com a presença de 1518 atletas e da X edição, realizada em Guimarães.

 

A XI edição, realizada simultaneamente, pela primeira vez, em 3 cidades, Porto, Gaia e Matosinhos, com 1873 atletas presentes, situação que se repetiu na XII edição que teve lugar em Lugo, Sárria e Monforte de Lemos, com 1644 atletas.

 

No presente ano, a XIII edição vai realizar-se em Braga, onde vai ser batido o record de atletas presentes.

 

Cabe referir que, desde há muito, o desporto adaptado integra o programa competitivo, nas modalidades de atletismo e natação.

 

Todos os atletas presentes têm como principal objecto competir e, naturalmente, ganhar. Mas o principal troféu dos Jogos do Eixo Atlântico, aquele que todas as cidades anseiam por ganhar é o Troféu Fair Play ou Jogo Limpo.

 

Mas, para além da competição, Braga vai oferecer, durante este período, visitas culturais e passeios pela cidade, pelo que todos os participantes e, também as suas famílias, levarão consigo um conhecimento mais profundo da cidade e da região e, sobretudo dos seus adversários, que no final da competição, passarão a ser amigos para sempre.

 

Por isso não existem quaisquer dúvidas de que estas manifestações, de natureza desportiva, contribuem mais pela união e coesão social do Eixo-AtLântico, do que os inúmeros projectos e realizações económicas que ao longo destes mais de 25 anos foram sendo executados na Euro Região.

 

Estou totalmente convicto que, tal como no passado, os Jogos do Eixo de Braga consolidarão ainda mais a coesão deste grande euro região.